Quem disse que não gostamos de ler?

Espaço onde podemos ver o nosso trabalho em torno do livro.

quinta-feira, junho 22, 2006

Emoção na Miguel Torga

Hoje foi a última sessão do projecto. Tal como começou, acabou na Miguel Torga. E acabou em beleza. A turma do 7º 2ª foi muito generosa comigo, a ponto de me fazer chorar. Para além do desafio de os motivar para a leitura, hoje cumpriu-se o mais importante: é certo que não nos esqueceremos uns dos outros, e o que nos ligou foram os livros. Desta vez, os livros não foram apenas um fim, mas um meio para passarmos seis meses a conviver na sala 20, na aula de Estudo Acompanhado da prof. Cristina Algeós.
Este post não é sobre os livros, sobre índices de sucesso, sobre estratégias. Este post é um muito, muito obrigado a todos, sem excepção, porque convosco aprendi muitas coisas, e acima de tudo, acredito muito no sucesso da vossa escola, no sucesso dos vossos professores e em particular da prof. Cristina, e acredito acima de tudo em vocês.
Quem disse que não é possível surpreendermo-nos sempre uns com os outros? Quem disse que a escola não nos pode fazer felizes? Quem disse que os livros não escondem as palavras que, em alturas como esta, não conseguimos dizer ou escrever?
Esta história fica aqui, e na memória de todos.

segunda-feira, junho 19, 2006

Trisavó XV

A última 'Trisavó' é da Liliana, da Pedro d'Orey da Cunha. Como os últimos são os primeiros, fica esta valsa em jeito de conclusão. A 'Trisavó' assustou alguns, mas como estavamos no princípio muitos cumpriram a tarefa. Aqui só estão as capas mais votadas. Depois, com o avançar das comunidades, todos ficámos mais íntimos e as conversas suplantaram as actividades. E estou convicta de que as leituras foram mesmo recreativas, no tempo e de acordo com a vontade de cada um.

Despedidas na Cardoso Pires

Foi hoje a última sessão na Cardoso Pires. Por isso, tal como lhes disse, anuncio agora que foi este o melhor grupo de leitores de todas as comunidades. O grupo constituiu-se com quinze voluntários, dos quais dez ficaram até ao fim. Pelo inquérito podemos constatar o enorme índice de leitura do grupo: dos dez, seis leram os seis livros propostos; três leram cinco e apenas um leu três.
Votou-se o melhor leitor e o grupo foi justo: foi eleita a Margarida.
A Margarida é uma excelente leitora, de facto. Já conhecia e tinha lido «As Crónicas de Spiderwick» antes de a Comunidade começar e na altura receei que não se interessasse pelo projecto por já ser uma leitora regular. Mas não. Sempre foi crítica o que é muito bom e, ao contrário da tendência geral, elegeu «A Biblioteca Mágica» como o livro de que mais gostou. Era o livro de leitura mais difícil, porque tinha muitas referências e muita informação na trama.
Mas não foi só a Margarida a eleger 'A Biblioteca' como livro preferido. Também a Ana Rita, a Sara, a Andreia e até a Eunice, que não leu os livros todos.
Os outros preferem «As Crónicas de Spiderwick». A aventura ganha aos pontos aos dilemas adolescentes quando estão em competição. Ainda bem para os bons policiais, as boas intrigas, as narrativas que nos entusiasmam até ao fim.
Agora amigas e amigo, está na hora de outros voos. Se puder ser, continuamos a voar juntos, se não puder ser, voem sozinhos, que sabem e podem, basta quererem.

terça-feira, junho 13, 2006

Balanço na Almeida Garrett

O grupo da Almeida Garrett era pequenino: a Constança, a Patrícia, o Diogo e o Gonçalo. E bastante exigente. Todos são leitores, excepto o Gonçalo, que tem preguiça e bichos carpinteiros.
Por isso, se posso pensar em sucesso, foi levar o Gonçalo a ler com prazer As crónicas de Spiderwick, não só o primeiro volume como os que se seguem, e que comprou espontaneamente. Claro que também levava sempre com ele a caderneta do Mundial e tentava desestabilizar a conversa com os novos cromos. Mas eu também gosto de futebol, e do Mundial...
O Diogo, a Patrícia e a Constança já encontraram uma linha temática preferida. Para o Diogo, aventura com fantasia e mistério. É concentrado mas nem sempre tem uma motivação por aí além. Por isso Spiderwick foi eleito por si como o livro de que mais gostou. Mas tem competência para ler sem esforço livros mais densos, como Eragon, que já leu. Tolkien, Dan Brown, Isabel Allende, se calhar no futuro As Brumas de Avalon, quem sabe?
A Constança é muito crítica e activa, entre os estudos e os treinos de basquetebol. Gosta de dramas de amor, drogas e morte, especialmente se envolverem adolescentes. Um dos temas frequentes eram os Morangos com Açucar, que eu criticava ferozmente e ela defendia com vigor. Apesar de tudo, não se incompatibilizou com a escrita de indícios e suspensão narrativa da Ana Saldanha. Dentro de mim e Uma argola no umbigo foram os livros de que mais gostou.
Finalmente, a Patrícia. Será, de entre os quatro, a mais discreta e mais segura. Gosta de romances, e estará já entre a denominada literatura juvenil e a literatura para adultos, se é que isso existe de forma tão espartilhada.
Creio que este grupo não se vai perder para a leitura. Não foi esta comunidade que os fez leitores, mas foi esta comunidade que contribuiu para criarem um ritmo numa fase em que as horas começam a ser muito curtas para viver tudo o que se deseja.

Trisavó XIV



A nossa Trisavó acompanha-nos até ao fim. Fica mais uma "Valsa", agora já sobejamente conhecida, de uma menina da Pedro d'Orey da Cunha.

Tempo de despedidas

Já houve despedidas na Manuel de Melo, em Alfornelos e na Almeida Garrett.
É sempre triste dizer adeus. O balanço é positivo. Fizemos um inquérito cujos resultados vamos divulgar aqui. O livro mais votado para preferido e menos amado; o melhor e o pior do projecto.
Já houve comentários gratificantes. A Vanessa, da Cardoso Pires confessou que agora já gosta mais de ler e a Jéssica, da Manuel de Melo, deixou escrito no inquérito que está mais entusiasmada pela leitura.
Amanhã é dia de despedida na Cardoso Pires.

terça-feira, maio 23, 2006

Chamem a Polícia



Um dos temas musicais escolhidos pelo grupo foi Chamem a polícia, dos Trabalhadores do Comércio. Este grupo, com pronúncia do Norte, faz parte do movimento rockeiro dos anos 80, quando havia em Portugal alguns arrojados que cantavam em português.

Pode ser que o revivalismo traga de volta alguns temas destas bandas: Chiclette, dos Táxi, Latin'américa dos Já Fumega, entre outros. E que esta geração tenha curiosidade...

Manuel de Melo no Teatro

Foi hoje a representação da peça Auto dos Estilos Parlantes, pelo grupo de Teatro da BE/CRE. As minhas meninas lá estavam, todas menos a Nádia que não pode estar presente. A Soraia estava a apoiar as amigas, embora a Jessica lhe tenha pregado uma bela partida ontem...
A Patrícia foi a grande revelação como dread. As falas não saíram tão atabalhoadas como é costume durante as sessões, e estava bastante à vontade. Pipa, Jéssica e Joana sairam-se igualmente bem, alinhadas, certinhas, eficientes.
O cenário estava muito giro e o texto retratou com o sarcasmo adolescente as gírias de grupo e os preconceitos que se vivem nas escolas e nos ambientes que por vezes são partilhados por grupos/ tendências diferentes. Gostei da moral da história, em jeito de auto-crítica, que apelava à aceitação das diferenças e elogio dos caracteres.
Boa, meninas!

Trisavó XIII

Amanhã regresso à Pedro d'Orey da Cunha, e coloco hoje a capa do livro que a Solange fez a partir do conto «Bruxa com Rabo de Cavalo». Há muito tempo que a Solange me anda a perguntar quando coloco aqui a sua capinha. Fica em 13º, para quebrar superstições. Ela esteve muito caladinha na última sessão, vamos lá ver como se anda a entender com Uma argola no umbigo...

Poesia na Miguel Torga

Na 5ª sessão, o Leandro pediu-me Poesia. Então, ocorreu-me que podia levar um jogo para a sessão seguinte. Assim foi. Na primeira metade organizámos as leituras: quem tinha lido as Crónicas, quem não tinha. O Bruno está a ler os livros até ao fim, acaba-os sempre nas sessões. A Cláudia nunca desilude. Já a Jéssica, parece estar sempre desinteressada.
De volta aos poemas, a minha proposta era a seguinte: encontrar o elemento estranho (um verso que não pertencia ao poema) em seis poemas. Com os seis versos estranhos compunham outro poema.
A actividade correu bem, e depois da leitura de todos os poemas, o eleito foi o de Miguel Torga...
Coincidências afectivas.

terça-feira, maio 16, 2006

Trisavó XII

Na Pedro d'Orey da Cunha alguém foi mais ousado e incluiu no seu livro três contos de Trisavó.
Quem se deita a adivinhar pela capa?



As cortinas da janela escondem o «Lobo do Outono», que visita em sonhos a sua amiga quando o tempo do calor se vai embora.

A Bruxa é mais conhecida porque foi eleita por muitos: é a madrasta má que talvez o não seja, afinal.

E as pedras preciosas? São os nomes de Opala que se perdeu no mundo, de Ágata que sempre gostou de animais e não fugiu, de Esmeralda e Safira que conheceu Rafael.

5ª sessão na Cardoso Pires

A 5ª sessão correu conforme o esperado. O Catálogo dos Sonhos foi bem recebido, mas não cumpriu a linha de BD a que aqueles leitores de BD estão habituados. As personagens mais interessantes são os maus da fita.
Jogámos a Palavra Proibida, com palavras-chave de Uma argola no umbigo. O grupo ficou entusiasmado com o livro. Todos, excepto a Margarida, que acha que este tipo de narrativas não é o género dela: discurso adolescente feminino...
Vamos ver quais são as opiniões, na próxima sessão.

terça-feira, maio 09, 2006

Pedro d'Orey da Cunha - o regresso

Na Pedro d'Orey da Cunha, as meninas regressaram à comunidade, na sessão de 3ª feira passada. Voltámos a ser nove à mesa. A Lucira estava com o ânimo que lhe é característico. Já a Solange estava um bocadinho acabrunhada. Não gostaram particularmente do Catálogo..., já das Crónicas de Spiderwick... Prometi à Lucira que levava, na próxima sessão, os restantes títulos da colecção, para ela poder comprar.
Fizemos o jogo da Palavra Proibida, o que provocou alguma agitação, e imaginámos a história de Uma argola no umbigo, a partir das palavras do jogo. Ficaram entusiasmadas.
Na próxima sessão ver-se-á se todas leram, o que me surpreenderia, porque o livro ainda é grande.
A outra notícia é que na Biblioteca da Escola está uma exposição sobre várias obras que os 5ºs e 6ºs anos leram até aqui. A menina do Mar, da Sophia de Mello Breyner é um dos livros para o 5º ano, e o Ulisses, da Maria Alberta Menéres, para o 6º.
As meninas estavam orgulhosas com os seus trabalhos e apresentaram-me os deuses da mitologia grega, com as suas fotografias a darem-lhes um rosto muito moderno.
Há outras ideias interessantes, nomeadamente uma espécie de jogo, em que as perguntas estão tapadas e só lemos as respostas. Quando levantamos o cartão, percebemos então o sentido da explicação.
Em conversa com a professora de português da turma, soube que os alunos continuam a deliciar-se com a obra Ulisses, muito por causa da mitologia, e que esse é um bom isco para a leitura. Estas estratégias são sempre bem vindas!

domingo, abril 30, 2006

5ª sessão - parte I

4ª e 5ª feira foram dias de sessão na Manuel de Melo, Alfornelos, Almeida Garrett e Miguel Torga.

Na Manuel de Melo as meninas estão a ensaiar a peça que vão levar à Mostra de Teatro dia 23 de Maio, nos Recreios, pelas 15h. Por isso, a prof. Filipa pediu-me para que a próxima sessão se realize apenas no dia 24. Vamos ver se é possível.
Em Alfornelos verificou-se que Uma argola no umbigo é um sucesso. As meninas gostaram muito, quer as do 7º ano, quer as do 9º. Vamos ver o que acham do Dentro de mim, em comparação.
Na Almeida Garrett as meninas andam a fazer gazeta. A Patrícia reincidiu, e a Constança estreou-se a faltar. Mas tive uma agradável surpresa: o Gonçalo não só leu o livro (As crónicas de Spiderwick, o Livro Fantástico) como já comprou e está a ler o segundo volume.
O grupo da Miguel Torga portou-se muito bem, foram mais de metade os que leram a Argola no umbigo. O Bruno e o Leandro até acabaram de ler o livro na sessão. Alguns dos que não tinham acabado de ler resolveram ficar com o livro para acabar até à próxima sessão. Os outros preferiram trocar e levar As crónicas de Spiderwick.